Situações simples do nosso cotidiano como o brilho da luz, a queda dos objetos, o movimento da água que escorre, possibilitam ricas experiências para as crianças.

Observando o encantamento delas pela água no momento de lavar as mãos, quando persistem na brincadeira prazerosa de tentar pegá-la ou segurá-la, de tampar a torneira para ver e sentir o esguicho da água no rosto, ou até mesmo o fascínio de vê-la escorrer pela pia, identificamos a pertinência de oferecer às crianças a possibilidade de brincar com água.

As experiências com água constituem um campo de investigação bastante interessante, pois contemplam a extraordinária curiosidade das crianças voltada à compreensão dos fenômenos que as rodeiam. A oferta de materiais variados como peneiras, funis, potes transparentes, jarras, copos, baldes entre outros objetos, favorece a relação das crianças com a água, provocando-as em variadas direções.

À medida que as crianças se utilizam dos materiais propostos, elas se ocupam de encher e esvaziar os recipientes, transferir a água de um para o outro, se deparam com a quantidade de água que sobra ou falta para completá-lo, observam a velocidade com que a água escoa, dependendo do formato e da característica do recipiente, e comparam as diferenças do que acontece com um ou outro.

O que aos olhos do adulto pode parecer simples e óbvio, é um complexo processo de comparação, análise e síntese, observação da relação de causa e efeito, a experimentação do quanto as múltiplas relações, produzem múltiplos efeitos. Uma situação de encantamento e inquietação que invoca as crianças a se colocarem por inteiro na relação com o contexto, a fim de vivê-lo e compreendê-lo com todos os sentidos.

Conceitos como volume, vazão, proporcionalidade, entre outros, habitam as crianças durante suas brincadeiras com água e constituem boa parte dos conteúdos presentes nas inúmeras interrogações que se apresentam. O entrelaçamento de diversas variáveis (tipo de recipiente, formato, capacidade de armazenamento, tempo de escoamento, quantidade de água escoada, trajetória da água, diâmetro da tubulação) em todas as suas variações, abre inúmeras possibilidades de investigação e mantém as crianças na posição de pesquisadoras, uma vez que exige que elas coloquem em jogo um modo de estar diante do mundo e dos objetos de conhecimento buscando 'compreender' as relações e conexões entre elas e os outros elementos que compõem a experiência e seus efeitos.

artes espaço Alimentação Luz e sombra Pesquisa sonora Brincando com água Caixas Caixa de areia Pistas

Receba nossas novidades

Creches CEDUC
Rua Albino Puttini, 170 - Jundiaí - SP - CEP 13209-462
Tel. (11) 4523-0755 - 4523-0591
FacebookGoogle Maps